As Bruxas de Salem

Olá, Freaks!

Ao longo dos anos foram criadas lendas sobre bruxas, sempre retratadas como mulheres malignas e de aparência horripilante, capazes de fazer feitiços e voar em vassouras. O caso mais famoso é o das Bruxas de Salem, mas será que as histórias são reais? Ou só mais uma vez as mulheres foram vítimas de fábulas mentirosas para terem sua liberdade podada?

A resposta você irá encontrar aqui no post! Então, continua com a gente que vamos detalhar tudo sobre a história dessas supostas bruxas!!!

O crescimento do cristianismo durante a Idade Média levou mulheres que não seguissem a risca as normas impostas pela Igreja a serem consideradas mentalmente insanas e a se tornarem alvos de perseguições. Na época, bruxas eram consideradas mulheres ligadas a cobiça carnal e que utilizavam de poderes sobrenaturais para agradar ao diabo. A caça às bruxas ocorreu entre os séculos XIV e XVIII, tornando-se ainda mais forte na Europa e nas colônias americanas. Historiadores estimam que foram executadas cerca de 40 a 50 mil mulheres por meio de enforcamento, afogamento e queima na fogueira.

Um dos casos mais famosos de caça às bruxas é o julgamento das bruxas de Salem. Tudo aconteceu entre os anos de 1692 e 1693 em uma colônia britânica nos Estados Unidos, uma região chamada Salem, onde os puritanos firmaram um governo em que a Igreja era responsável por comandar tudo. Em fevereiro de 1692, uma menina de nove anos chamada Betty, filha do reverendo de Salem, Samuel Parris, ficou doente e apresentava sintomas muito estranhos. A criança se contorcia de dor, joga objetos longe, gritava e afirmava sentir que estava sendo picada por algo.

Ela não foi a única acometida pela esquisita doença, outras garotas tiveram os mesmos sintomas, se contorcendo em poses assustadoras e alegando estarem sentido mordidas e beliscadas pelo corpo. Naquela época a medicina tinha suas limitações, o que levou ao médico William Griggs a sugerir que se trata de algo sobrenatural. No período em que o caso ocorreu um livro chamado “Memoráveis Providências”, de Cotton Mather, fazia muito sucesso. A obra descrevia o caso de uma pessoa que teria sido vítima de uma suposta bruxa e apresentava comportamentos muito similares aos das meninas. Essa semelhança deu início a uma onda de pânico nas famílias das crianças como também nos moradores da região.

Historiadores acreditam que os pais de duas meninas, Thomas Putnam e o próprio Samuel Parris, incitaram suas filhas a acusar pessoas específicas da comunidade como um ato de vingança. Então, três meninas do grupo, incluindo Betty, acusaram três mulheres: Sarah Good, uma moradora de rua que era considerada uma importunação pelos vizinhos; Sarah Osborne, uma idosa pobre que lutava pela herança de seu marido falecido; e a escrava indígena, de origem caribenha, de Parris, chamada Tituba. As três eram alvos fáceis para acusações fantasiosas.

Elas foram presas e interrogadas por vários dias, mas apenas Tituba, para tentar escapar da força, acabou confessando ser uma bruxa e garantiu que muitas outras bruxas viviam em Salem. Não demorou para que uma onda de histeria na região fosse instaurada, diversas denúncias começassem a surgir e qualquer motivo podia levar alguém a ser acusado de bruxaria. Acredita-se que muitos moradores se aproveitaram dos boatos para acusar inimigos ou desafetos por vingança ou para benefícios próprios. A histeria que tomou conta de Salem levou o governador William Phips a criar uma corte formada por cinco juízes para julgar os casos de bruxaria, onde quem fosse acusado de bruxaria não tinham direito a ter testemunhas a seu favor.

Embora a caça às bruxas tenha começado em Salem, rapidamente o caso se espalhou para as cidades vizinhas como Amesbury, Andover, Salisbury, Topsfield, Ipswich e Gloucester , e vários residentes dessas cidades foram trazidos para Salem e julgados. A medida que as prisões foram acontecendo, as cadeias ficam superlotadas e as prisioneiras eram mantidas até em masmorras, todas acorrentadas às paredes, pois acreditava-se que as bruxas acusadas eram perigosas e que as correntes impediriam seus espíritos de fugir da prisão e atormentar suas vítimas.

Os julgamentos foram realizados no tribunal de Salem e Bridget Bishop foi a primeira a ser julgada. Ela foi indicada por uma das mulheres que haviam confessado e acusada por cinco das meninas afetadas, que alegaram que ela as havia machucado fisicamente e tentado fazê-las assinar um pacto com o diabo. Bishop também tinha problemas com vizinhos e uma testemunha afirmou tê-la visto roubar ovos e depois se transformar em um gato. Apesar de ter se declarado inocente, Bridget foi condenada a morte, sendo enforcada no dia 10 de junho de 1692 e se tornando a primeira vítima oficial dos julgamentos das bruxas de Salem.

Durante os meses que seguiram, vários momentos foram marcantes, como a execução de Rebecca Nurse, uma enfermeira e babá muito respeitada e amada da comunidade. Quando ela foi presa pela primeira vez, muitos moradores assinaram uma petição pedindo sua libertação. O veredicto inicial era de que ela era inocente, mas ao ouvir o veredicto o grupo de meninas que deram inicio a tudo começaram a ter ataques no tribunal. Dessa forma, o juiz no momento pediu ao júri que reconsiderasse seu veredicto. Uma semana depois, o júri mudou de ideia e declarou a enfermeira culpada.

Dois outros momento importante durante os julgamentos das bruxas de Salem foi a tortura pública e a morte de Giles Corey, e a acusação de sua esposa Martha Corey. Corey foi acusado de bruxaria em abril, durante o interrogatório de sua esposa, ele colaborou com um depoimento contra Martha, que tinha sido acusada por Ann Putnam Jr. A criança afirmou que o espírito da mulher a havia atacado. Foi uma acusação chocante na época porque Martha era uma mulher respeitável, apesar de ter um passado conturbado, e era membro da igreja local. Ninguém com seu status social havia sido acusado antes.

Outras testemunhas teceram acusações à Martha e antes do julgamento ela teve que passar por um exame para comprovar se eram ou não uma bruxa. Durantes esse exame, Giles foi questionado pelo seu depoimento anterior contra sua esposa, mas ele se recusou a fornecer mais evidências incriminatórias. Sendo assim, o tribunal então decidiu prendê-lo e tortura-lo, ele foi posto deitado no chão, nu, com uma tábua colocada em cima dele e pedras pesadas foram postas no tabuleiro, o peso aumentaria gradualmente até que Corey começasse a falar. O que não aconteceu, levando-o a óbito em 19 de setembro.

Martha Corey foi executada por enforcamento com sete outras pessoas em 22 de setembro. Este foi o último dia de execução dos Julgamentos de Bruxaria de Salem. A maioria dos acusados eram mulheres, homens também estavam sendo apontados como bruxos. Um caso que chama atenção é o da filha de Sarah Good, de apenas quatro anos, que ficou presa por meses. E um ministro da igreja, George Burroughs, foi condenado como sendo o líder das bruxas e enforcado.

As pesquisas apontam que mais de 200 pessoas foram acusadas, catorze mulheres e cinco homens foram mortos após serem condenados por bruxaria e quatro pessoas morreram enquanto aguardavam julgamento. Inclusive, dois cachorros foram acusados de serem cúmplices de bruxas e condenados a morte. Na época, o ministro Cotton Mather e seu filho, Increase Mather (presidente da Universidade de Harvard) , ficaram sabendo do julgamento e do caos instaurado por ele, e então pediram para que o governador parasse de considerar depoimentos baseados em sonhos e “visões”. Porém, Phipps apenas considerou o pedido do ministro quando sua própria esposa foi acusada de estar praticando bruxaria.

Com a mudança de análise dos depoimentos, as condenações foram diminuindo ao longo do empo. Os últimos julgamentos ocorreram em abril de 1693 e as mulheres que ainda estavam presas foram libertadas em maio do mesmo ano. A maioria das condenações foi revista entre o final do século 17 e o início do século 18. Apesar disso, os julgamentos apenas foram considerados ilegais em 1702, quando também houve um decreto para “limpar” o nome dos condenados e uma recompensa foi dada aos herdeiros. Em 1957, houve um pedido formal de desculpas por parte do estado de Massachusetts.

Livros sobre a verdadeira história

As bruxas: Intriga, traição e histeria em Salem

Os julgamentos em Salem são um dos mais sombrios episódios do passado norte-americano revelado de forma emocionante por uma das mais aclamadas escritoras da atualidade. Com base em meticulosa pesquisa, a renomada jornalista Stacy Schiff, vencedora do Pulitzer, reconstitui com precisão histórica e prosa vibrante os acontecimentos daquele ano sombrio em Salem e o surto coletivo que desencadeou o drama das bruxas de Salem.

Grimório das Bruxas

O livro Grimório das Bruxas é considerado o livro definitivo sobre a história da bruxaria, escrito pelo historiador Ronald Hutton. Embora na percepção popular a bruxaria permaneça indissoluvelmente vinculada com a caça às bruxas dos primórdios do período moderno europeu, no século XV, e ao horror persecutório e sacrificial que condenou mulheres inocentes à morte em Salém, Grimório das Bruxas nos conduz a um passado ainda mais remoto e geograficamente mais amplo. Como especialista em paganismo e bruxaria ao longo dos séculos, o autor nos conduz por uma jornada inesquecível pela história.

História da Bruxaria: Feiticeiras, hereges e pagãs

Da feitiçaria antiga aos recentes movimentos neopagãos, a história da bruxaria está nas entrelinhas da própria história. A tradição das bruxas, repleta de perseguições e reviravoltas, tem uma trajetória silenciosa, mas não por isso menos verdadeira e devastadora. História da bruxaria é o mais abrangente estudo sobre o tema, e o discute de forma lúcida e estimulante, sob diferentes perspectivas. Os autores examinam a gênese, o auge e o declínio da caça às bruxas e revelam como a bruxaria sobreviveu, ressurgiu, se reciclou e atua na sociedade contemporânea.

Bruxas nas telinhas

Salem (2014)

A Bruxa de Blair (1999)

A Bruxa (2015)

Convenção das Bruxas (1990)

Abracadabra (1993)

As Bruxas de Salém (1996)

Referências:

As bruxas: Intriga, traição e histeria em Salem, por Stacy Schiff.

History of Massachusetts: https://bit.ly/3fITfQf | https://bit.ly/2Rt6492 | https://bit.ly/3fwSWrg

Salem Witch Museum: https://bit.ly/3uZmFzX

Super Interessante: https://bit.ly/3sSPihy

Revista Quem: https://glo.bo/3oun4bd

Aventuras na História: https://bit.ly/3eX23m1 | https://bit.ly/2RrUfQk

*As descrições dos livros foram tiradas do site da Amazon.

Foto de capa: https://bit.ly/3eX23m1

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *