Bestiário Mitologia Grega: Os Filhos de Equidna (Parte 1)

Hi, Freaks!

Dando continuidade ao nosso especial de monstros, selecionamos alguns dos mais assustadores para esse post!

São muitos os que existem em meio as lendas do mundo mitológico, e caso queiram saber mais sobre monstros que não estão em nossas listas, nos mandem uma mensagem! Suas sugestões serão muito bem vindas!

Equidna

Também conhecida como ”A Mãe de Todos os Monstros’ (em grego Ἔχιδνα, Ékhidna), era uma criatura monstruosa e bela ao mesmo tempo, pois possuía o tronco de uma linda mulher e a cauda de uma serpente. Segundo a lenda, vivia numa caverna nas profundezas da Terra, distante de todos: Deuses e homens.

Dentre as divergências sobre sua origem, a que se destaca é a versão de Hesíodo, em que era filha dos irmãos Fórcis e Ceto, neta de Ponto (Divindade do mar aberto) e Gaia (Mãe-Terra).

Sendo a monstruosidade encarnada, Equidna casou-se com o horrendo Tifão, titã responsável pelos ventos ferozes e violentos da Grécia. E foi dessa união, que surgiram alguns dos monstros mais horrendos e assustadores da Mitologia Grega, sendo eles: Cérbero, o cão de três cabeças que guardava o Inferno; Hidra, a serpente aquática de múltiplas cabeças que vivia em Lerna; Quimera, a cabra com cabeça de leão e cauda de serpente, que exalava fogo; e Ortro, o cão de duas cabeças de Gerião.

Abaixo, parte do texto escrito por Hesíodo, em Teogonia (295-305), no qual relata o nascimento de Equidna por sua mãe Ceto.

”Ela pariu outro incombatível prodígio nem par
a homens mortais nem a Deuses imortais
numa gruta cava: divina Víbora de ânimo cruel,
semininfa de olhos vivos e belas faces
e prodigiosa semi-serpente terrível e enorme,
cambiante carnívoro sob covil na divina terra
Aí sua gruta lá embaixo está sob côncava pedra
longe dos Deuses imortais e dos homens mortais,
aí lhe deram os Deuses habitar ínclito palácio.
Em Árimos sob o chão reteve-se a lúgubre Víbora
ninfa imortal e sem velhice para sempre.”

Podemos citar também a Esfinge e o Leão de Nemeia, que surgiram da união entre Ortro e de sua própria mãe, Equidna. É dito que além destes, teve três filhos com Herácles: Agatirso, Gélon e Cites.

Apesar de nunca ter tido uma participação direta com quaisquer mitos, era sempre citada como ”A Mãe de Todos os Monstros”.

Segundo a Lenda, Equidna e seus filhos eram detentores de uma natureza terrível. Devoravam viajantes inocentes, causando pavor a todos os homens. Zeus tinha decidido não por fim a sua vida justamente por ser progenitora dos monstros responsáveis por dificultar o trabalho dos Heróis.

Infelizmente sua esposa Hera, a Rainha dos Céus, pensava de forma diferente e incumbiu que Argos, o monstro de Cem Olhos, desse um fim em sua vida, e assim foi feito.

Cérbero

Na Mitologia Grega, Cérbero (em grego Κέρβερος, Cerberus) era representado como um monstruoso e horrendo cão de três cabeças e guardião dos portões do Mundo Inferior, onde deixava que as almas entrassem e nunca mais saíssem. E também despedaçava todos os mortais que tentassem se aventurar por lá.

Seu nome deriva da palavra Kroboros, que significa comedor de carne. Pois era dito que Cérbero comia o corpo dos condenados. Tendo como exemplo, Pirítoo, que ao tentar seduzir e raptar Perséfone foi entregue ao Cão para que fosse devorado como castigo.

Existem certas divergências quanto a sua aparência. Porém, o que todas têm em comum é o fato do mesmo ser representado como um cão de aparência infernal, tricéfalo e com cauda de dragão, cobra ou de cão, que guardava as portas do Submundo. Além de descrever que o guardião apenas impedia de sair, sendo amigável com todos que chegavam e transformando-se numa besta terrível quando tentassem partir. Os únicos que conseguiram realizar a proeza de sair com vida do Reino dos Mortos foram Herácles, Psiquê, Orfeu e Ulisses.

É dito que Hércules capturou Cérbero, agarrando-o por seu pescoço, sem a ajuda de qualquer tipo de armamento, em seu Décimo Segundo Trabalho com a ajuda de Atena e Hermes, no qual guiaram seus caminhos até o Tártaro.

Os gregos acreditavam que após a morte, sua alma seria transportada na barca de Caronte para a outra margem do Rio Aqueronte, onde encontrava-se a entrada do Reino de Hades (Deus dos mortos), vigiada por Cérbero.

Era comum que os familiares deixassem no túmulo de seus entes queridos um bolo de farinha e mel, para que os espíritos destes, pudessem aplacar a fúria do cão de três cabeças.

Cérbero tem como simbolismo o inferno e pavor da morte. Por ser o guardião dos portões infernais, o lugar mais assustador e temido por todas as criaturas vivas.

Ortro

Ortro (em grego: Ὄρθρος, Órthos) era um dos filhos de Equidna e Tifão. Seu nome tem como significado: “o que está vigilante, alerta ao nascer do dia”, e isto já diz muito sobre sua função, que era de vigiar o gado vermelho de Gerião, gigante de três corpos, seis asas e seis braços, na Erítia junto do gigante Êurito. Porém, alguns dizem que seu dono original foi Atlas, o titã que carregava o céu nos ombros.

Sua aparência era de um cão monstruoso bicéfalo, cujas mandíbulas eram marcadas por dentes pontiagudos e no lugar da cauda, uma serpente. Como pode-se observar, possuía certas semelhanças com a de seu irmão Cérbero. Era conhecido como o cão de guarda mais feroz da antiguidade.

Foi morto por Hércules, ao tentar estraçalhá-lo, para que assim o mesmo pudesse cumprir seu Décimo Trabalho. E há quem diga que após sua morte, ascendeu aos céus e transformou-se na estrela Sirius (Estrela do Cão). Se não fosse pela pele do Leão de Neméia, que por acaso é seu filho, Ortro teria destroçado o Herói em pedaços.

Hidra

Segundo o mito, a Hidra de Lerna (em grego: Ὕδρα Λερναία, Hýdra Lernaía) era um monstro que vivia em um pântano junto ao lago de Lerna, em Argólida, conhecido atualmente como a costa leste da região do Peloponeso. Sua origem deu-se por meio da união de Equidna e Tifão, e possuía um corpo de dragão com várias cabeças de serpentes, que se regeneravam em duas caso fossem decapitadas.

Sua aparência varia de autor para autor. Há aqueles que dizem que o monstro possuía cinco, seis e até mesmo cem cabeças, sendo uma delas imortal. E era tão venenosa que seu hálito seria capaz de matar em tormento, destruição e horror qualquer ser vivo que ousasse se aproximar, apenas sentindo seu cheiro.

Poucos acreditavam que houvesse esperanças de que alguém seria capaz de matá-la, já que além de ser extremamente fatal só por respirar perto da criatura, também localizava-se em um local de difícil acesso, nas profundezas do pântano. E não obstante, escondia-se na água para atacar vítimas desprevenidas e possíveis heróis.

Em seu Segundo Trabalho, Hércules derrota a Hira com a ajuda de seu sobrinho Iolau, onde a medida que o herói ia cortando as cabeças, Iolau cauterizava as feridas com a ajuda do fogo de uma floresta vizinha e um grande pedaço de tição, impedindo o reaparecimento das cabeças. E assim, sobrou apenas a cabeça do meio, imortal. Hércules então a cortou e enterrou-a abaixo de um enorme rochedo. Dessa forma, a Hidra foi derrotada.

Atena, Deusa da Sabedoria, instruiu que Hércules banhasse suas flechas no sangue do monstro, para torná-las venenosas.

Anos depois, Hércules foi morto por causa do veneno mortal da Hidra. Pois o centauro Nesso, após ser ferido mortalmente pelas flechas envenenadas de Hércules, confidenciou maliciosamente a Dijanira, esposa do herói, que seu sangue seria capaz de fazê-lo amá-la para sempre. E quando o interesse deste pela esposa se extinguiu, Dijanira sem saber que estava envenenando o marido, banhou suas vestes no sangue venenoso, acreditando que seria capaz de fazer com que Hércules a amasse para sempre, e assim quando o herói a vestiu, imediatamente passou a sentir os efeitos do veneno queimando sua carne. Este trágico incidente acabou por resultar na morte terrena do herói grego.

Referências:

Livro Os Mitos Gregos, por Robert Graves: https://cutt.ly/amazon-mitosgregos-rg;

Trabalho Monográfico: As Manifestações do Estranho e da Monstruosidade em ”A Mãe dos Monstros” de Maupassant, por André Luiz Santos Silva: https://cutt.ly/bdm-unb-br;

Livro Tudo o que você precisa saber sobre mitologia: dos deuses e deusas aos monstros e mortais, seu guia sobre a mitologia antiga, por Kathleen Sears: https://cutt.ly/google-livros-ks;

https://cutt.ly/bestiario-acampamentomeio-sangue;
https://cutt.ly/mitologia-helenica-wp;


Fonte de capa: https://images5.alphacoders.com/504/thumb-1920-504947.jpg

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *