Bestiário Mitologia Nórdica: Os Filhos de Loki

Hey, Freaks!

Quem aí está animado para conhecer mais criaturas mitológicas? Acredito que muitos de vocês já ouviram falar do semideus Loki, que faz muito sucesso nos filmes da Marvel. Mas diferente dos quadrinhos e cinema, Loki é um semideus que tem cinco filhos, porém três deles são muito assustadores e é deles que falaremos hoje!!!

Já ficou curioso? Então, vem ler o post até o final para conhecer mais sobre o lado sombrio dessas criaturas.

Loki se casou com a deusa da fidelidade Sigyn, com quem teve dois filhos: Narvi e Vali. Antes desta união, o semideus teve três filhos monstruosos com a giganta Angrboda, deusa do medo, eles são o imenso lobo Fenrir, a chamada Serpente de Midgard e a menina Hel. Quando os deuses souberam do nascimento das três criaturas também souberam das profecias que alertavam para enormes perigos envolvendo os filhos de Loki. Então, Odin ordenou que cada um tivesse um tipo de castigo para aprisioná-los para sempre.” 

Fenrir

Uma das criaturas mais famosas da mitologia nórdica é o enorme lobo Fenrir. Originalmente seu nome significava “habitante do pântano”, mas para Régis Boyer e Rudolf Simek, estudiosos de literatura nórdica, Seu nome significa “pântano”, relação com a palavra fen e possui paralelo com o nome tribal Fanesii. Ele também é chamado de Fenrisúlf (o lobo de Fenrir), porém, este nome nunca chegou a ser devidamente explicado.

Segundo as lendas, Fenrir é inimigo dos deuses e tem um papel importantíssimo Ragnarök – o evento que marca a morte dos deuses nórdicos e a destruição de parte do universo. Porém, os historiadores têm dificuldade de encontrar a origem da imagem do lobo como uma criatura apocalíptica.

Na Edda Prosaica e na Edda Poética, conta-se que apesar do medo dos deuses, eles deixaram com que Fenrir vivesse em Asgard por um tempo e o deus Týr – da guerra, das leis e da ordem era o única com coragem de alimentá-lo. Porém, quando ele começou a crescer os deuses resolveram tentar aprisionar o lobo de forma definitiva. A primeira tentativa consistia em colocar nele amarras reforçadas, chamadas Laeding, com a desculpa de que seria uma aposta para ver se ele era realmente forte. Fenrir aceitou, ele conseguiu quebrar as correntes sem nenhuma dificuldade.

Sendo assim, os deuses pediram que alguns anões construíssem correntes mais fortes, chamadas de Gleipnir, que foram feitas com as seguintes coisas: o barulho da pisada de um gato, a barba de uma mulher, as raízes de uma montanha, tendões de urso, respiração dos peixes e a saliva de pássaros. Fenrir ficou desconfiado sobre a nova aposta e cobrou que um dos deuses colocasse uma das mãos em sua boca para garantir que não seria preso, pois se caso fosse, iria comer a mão do deus. Týr foi o único que se voluntariou para enfrentar a criatura, colocou sua mão direita na boca da fera e assim que ficou claro a trapaça, Fenrir arrancou a mão do deus para que o acordo fosse cumprido.

Após o ocorrido, os deuses prenderam a outra ponta de Gleipnir a uma enorme pedra e a enterraram no fundo da terra. Em Gylfaginning 34 (primeira parte da Edda), há o relato de que o lobo tentou morder o restante dos deuses, mas um deles conseguiu enfiar uma espada em sua boca, de modo que o cabo ficou cravado na mandíbula e a ponta da lâmina se fincou no maxilar. Fenrir então começou a salivar devido a boca constantemente aberta e a mesma criou um rio chamado Van (“esperança”).

Ainda na Edda em Prosa há informações sobre como Fenrir se liberta de suas amarras e foge entre as ruínas causadas pelo começo do Ragnarök. O lobo correrá livre novamente, soltando fogo pelos olhos e ventas, a boca estará tão aberta que seu maxilar superior alcançará o seu e sua mandíbula tocará a terra, rasgando-os. O deus Odin, o pai de todos, será engolido e morto por Fenrir, mas seu filho Vídarr irá colocar o pé no maxilar da fera e com uma das mãos ele agarrará a mandíbula superior separando ambas as partes, depois atravessará seu coração com uma lança, e assim, vingando seu pai.

Jörmungandr (Midgardsormr)

Agora falaremos de Jörmungandr, seu nome significa “monstruoso”, mas é encontrado apenas na Völuspá 50 (primeiro e mais conhecido poema da Edda poética), enquanto em nórdico antigo o termo Midgardsormr (serpente de Middgard) também é associado a criatura e significa “serpente do mundo“.

Assim como seu irmão foi castigado pelos deuses. Odin ordenou que Jörmungandr, quando ainda pequeno, fosse atirado no oceano profundo que margeia as terras de Midgard. Lá ele se tornou tão enorme que envolveu a Terra, chegando a morder a própria cauda. Apesar de ser considerada uma ameaça pelos deuses, a serpente construiu um equilíbrio cósmico enorme, dando estabilidade especialmente para as terras e montanhas.

Há uma forte associação da criatura com pescaria, isso porque há uma lenda que conta como Thor foi pescar com o gigante Hymir para conseguir matar a Jörmungandr. De início o gigante não queria aceitar a companhia do deus para sua próxima pescaria, mas depois de muita insistência acabou cedendo. Como precisava de uma isca que chamasse a atenção do monstro, Thor arrancou a cabeça do maior touro do rebanho de Hymir.

Enquanto o gigante queria ficar no lugar no qual costumava pescar, o deus empurrava o barco cada vez mais para o fundo, o que causou medo em Hymir pois eles estavam se aproximando das águas patrulhadas pela serpente. Ao saber disso, Thor remou ainda mais rápido até encontrar o lugar ideal, enganchou a cabeça do touro em um anzol e lançou a isca no mar. Jörmungandr engoliu o engodo, mas acabou com o anzol preso em sua gengiva e ao tentar se soltar acabou enfurecendo o deus.

Ao tentar se manter em pé, os pés de Thor atravessaram a madeira e pouco a pouco começou a puxar a criatura para dentro do navio, enquanto a serpente cuspia veneno, tentando se livrar. Segurando firme a linha presa na isca, o deus se preparou para erguer a serpente e desferir um golpe certeiro com seu martelo Mjölnir quando Hymir apavorado usou uma faca para cortar a linha e soltar Jörmungand, rapidamente fugiu para as profundezas do oceano.

A criatura também estará presente no Ragnarök, acredita-se que ela irá se agitar no começo de tudo, formando assim ondas gigantescas que causarão grandes inundações. Depois irá emergir a terra causando maremotos e cuspindo veneno. Jörmungandr irá lutar contra Thor – o deus do trovão, filho de Odin e Jörd , que com seu martelo Mjöllnir irá golpear fatalmente a serpente. Porém, antes de morrer o monstro irá conseguir envenenar o deus que tombará para o mesmo fim.

Snorri Sturluson, historiador e escritor da Edda em Prosa, registrou em Gylfaginning (As Alucinações de Gylfi):

“Thor matará a Serpente de Midgard, e após dar nove passos desse local, então ele cairá morto na terra, devido ao veneno que a cobra jorrou nele.”

Hel

A terceira filha de Loki é Hel, conhecida como a deusa do submundo. Seu nome é etimologicamente relacionado com o gótico halja, o anglo saxão hell, com o antigo alto alemão helan (para esconder) e o antigo irlandês cuille (porão). Ela é descrita com uma aparência incomum, metade de seu corpo é preto (em estado de putrefação), enquanto a outra metade é branco. Ela mora em seu palácio que fica localizado ao norte de Niflheim, seu reino Hel (que leva o mesmo nome da deusa) é considerado o reino dos mortos, sendo úmido e muito gelado.

Viver em Niflheim foi o castigo dado por Odin, uma sentença generosa se formos comparar com as de seus irmãos. Isso por causa de sua semelhança com os demais deuses, por isso, ficou encarregada de abrigar em seu reino todos os que morrem de doença ou velhice. Diz-se que Hel também fazia a travessia dos guerreiros mortos em batalha para Valhalla, mas este cargo passou a ser das Valquírias (leia mais sobre elas clicando aqui). Os mortos precisam caminham por um longo caminho até chegar nos palhaços da deusa, uma teoria sustentada por achados arqueológicos em cemitérios escandinavos que demonstram cadáveres sepultados com armas, armaduras, comidas e outros artefatos para ajudá-los na difícil jornada.

Não há registros de que Hel era um lugar de sofrimento e punição para os nórdicos, apenas depois da cristianização dos povos é que ficou reconhecido como um lugar igual ao inferno cristão (hell, inferno em inglês). O submundo é considerado apenas um lugar de morada dos mortos e deusa apenas aplicava punições nos grandes pecadores. A entrada do reino é guardada por Garmr, cão de guarda de Hel, que tem resquícios de sangue escorrendo de sua boca por ter matado aqueles que tentam fugir do lugar.

Não é citado que Hel estará ao lado de seus irmão e seu pai durante o Ragnarök. Porém, acredita-se que Garmr uivará tão alto que fará a terra tremer tão violentamente que as árvores se soltarão do chão e as montanhas desmoronarão. O cão encontrará a morte em sua batalha contra Týr, mas antes irá ferir o deus de forma fatal. Na Edda em Prosa, que quando Loki marchar para a batalha final contra os demais deuses, todos que habitam em Hel irão se juntar a ele. Afinal, estas pobres almas não foram consideradas dignas de habitar Valhalla, mesmo não sendo mestres em combate como os guerreiros de Odin, o exército de mortos de Hel é absurdamente maior que o do exército do pai de todos.

E aí, gostaram de conhecer os filhos do Loki? Conta aqui para nós o que você achou dessas criaturas assustadoras.

Referências:

Livro Dicionário de Mitologia Nórdica: símbolos, mitos e ritos, de Johnni Langer.

Ragnarǫk: alternativas de interpretação da escatologia escandinava, Fábio L. Stern – https://bit.ly/3q22nDS

Cometas, Eclipses e Ragnarök: uma interpretação astronômica da escatologia nórdica pré-cristã, Johnni Langer – https://bit.ly/2J9mW0n

Mito Nórdico e a Constituição do Real segundo Ernst Cassirer, Gabriela Ribeiro da Silva – https://bit.ly/3l6UFoj

O Mito do Dragão na Escandinávia (Primeira Parte: Período Pré-Viking), Johnni Langer – https://bit.ly/362vpep

Super Interessante: https://bit.ly/2V5MWMk

Super Interessante: https://bit.ly/3lcJ6Mo

Revista Galileu: https://glo.bo/3fLIsV3

Foto de capa: https://bit.ly/365UdCv

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *