Deusa Eostre

Olá, Freaks!

Hoje é Páscoa e nós sempre trazemos a origem de datas como essas, mas neste post não vamos focar na comemoração em si e sim na deusa que supostamente originou seu nome (em inglês) e algumas tradições que foram absorvidas para a celebração cristã.

Iremos falar da deusa germânica Eostre. Ficou curioso? Então é só continuar por aqui para saber mais dessa divindade!!!

A Páscoa não acontece em uma data fixa, geralmente ocorre por volta do equinócio de primavera, um momento comemorado por povos antigos. Neste período, havia também celebrações em homenagem a uma deusa germânica chamada Eostern, mas também conhecida como EostreOstara e Ostera. Ela é a deusa da aurora, do renascimento e da fertilidade na Mitologia Germânica. Seu poder torna a vida de todos e a terra mais fértil, faz que tudo que tenha sido plantado com amor cresça.

Há duas lenda sobre essa personagem. A primeira conta que Eostre ao ouvir o lamento das pessoas que temiam que o inverno não acabaria, ela desceu dos céus trazendo a primavera. Assim que a deusa pisou na terra um lindo arco-íris apareceu no céu anunciando a chegada de uma nova estação. Na presença de Eostre, uma lebre colocou um ovo colorido assim como o arco-íris tamanha era a sua fertilidade, dessa forma, passaram a ser símbolos da deusa.

Outra lenda conta que a deusa Ostara encontrou ovos coloridos em cada lugar que se encontrou com o Rei Lebre. Quando os ovos chocavam, coelhos saiam de dentro deles, sendo hoje os responsáveis pelas entregas de ovos de páscoa.

No paganismo germânico o ritual era uma celebração comunitária, liderada por um goði ou sacerdote. No ritual para a Eostre era utilizado ovos para pintar, um chifre para abrir o ritual, um gandr (varinha) e o emprego de galdr (magia rúnica). Ovos sazonais eram distribuídos aos participantes pelo goði.

Era também feita uma invocação:

Salve Ostara, surgindo para o leste,
Deusa da risada, Senhora da luz
Ao amanhecer, domínio sobre a escuridão
Tua glória foi concedida, já se foi a noite!
A ira do inverno por ventos de calor
O poder da Donzela derreteu aqui;
Em todos os lugares as plantas verdes estão crescendo,
As flores florescem, as bestas carregam.

Na bruxaria, o nome da deusa influenciou em um dos sabás que se chama Ostara, ele comemora a chegada da primavera. Ele também representa o momento em que o Deus cornífero está crescido e a Deusa também está jovem, onde se encontram e se apaixonam. Acontece o desabrochar da natureza, onde o florescer promove a fertilidade da terra. Acredita-se que o coelho ou a lebre simbolizam a fertilidade, enquanto os ovos coloridos representam o início da vida. É um momento para pedir fortalecimento, bençãos, para rituais de amor, fertilidade e harmonia.

Alguns historiadores estabeleceram uma conexão entre a celebração da primavera e o culto a deusa, assim como traçaram um paralelo com a celebração cristã que acontece no mesmo período. Acredita-se que provavelmente os nomes atribuídos a divindade foram responsáveis para que hoje a palavra Páscoa em inglês seja “Easter” pela semelhança com Eostern, e em alemão “Ostern” que se assemelha a Ostara.

Porém, há muitas dúvidas sobre ter existido um culto a Eostre, devido as poucas evidências encontradas. Jacob Grimm (sim, dos Irmãos Grimm), examinou as formas primitivas de mitologias presentes na Alemanha no século XIX e entre suas análises defendeu a existência da deusa Ostara, cognata da anglo-saxã Eostre, a partir do termo ôstarun dos dialetos do sudeste no Alto-alemão Antigo, que seria etimologicamente ligado a Ôstar (cognato de Austr e Eástor), significando “movimento em direção ao sol nascente”. Ele acreditava que Ostara parecia ter sido a divindade da aurora radiante, da luz da primavera, espetáculo que traz alegria e benção.

Outra associação da deusa com o amanhecer advém do nascer do sol na direção leste, pois o nome Eostre estaria etimologicamente relacionado com as palavras east e ost (leste), que têm cognatos na maioria das línguas germânicas. Além disso, alguns historiadores acreditam que a origem esteja vinculada ao eosturmonath (mês de abril), pois em tradução livre do germânico antigo a palavra poderia ser desmembrada em “monath” que significa mês e “eostur” correspondia a Eostre, já que o mês da entrada da primavera no hemisfério norte era ligado a ela. Mais tarde, Eosturmonath teria sido traduzido para “mês pascal”.

Curiosidades

Na Mitologia Grega e Romana existe uma deusa correspondente a Eostre, sendo na grega a deusa Deméter e na romana a deusa Ceres. A relação é que ambas as deusas eram associadas a agricultura, flores, natureza. Em Roma, havia um festival chamado Cereália em homenagem a Ceres, ele era celebrado na primavera.

Na série American Gods a deusa é personificada, levando o nome Easter e sendo apresentada como a deusa da Páscoa.

A série Equinox, da Netflix, se aprofunda no folclore dinamarquês e na mitologia da deusa Ostara para contar uma história intrigante. Apesar de muita ficção envolvida, a série também se baseia em tradições da região.

A série de jogos Assassin’s Creed: Valhalla ganhou a edição chamada O Festival de Ostara. No game, depois de um inverno longo e rigoroso, o retorno da primavera é motivo de comemoração.

Referências

De Eostre a Easter: ressignificação de um culto pagão na Inglaterra Medieval, por Nathany Andrea Wagenheimer Belmaiahttps://bit.ly/31I1IfB

The Goddess Eostre: Bede’s Text and Contemporary Pagan Tradition(s), por Carole Cusackhttps://bit.ly/3rM63cw

Oficina das Bruxas: https://bit.ly/3wpp5J9

Aventuras na História: https://bit.ly/3mk4S2P

Mundo Educação: https://bit.ly/3rOShG7

Extra Online: https://glo.bo/31J1hSe

A Gazeta: https://bit.ly/3ws6A6Y

Foto de capa: https://bit.ly/3dwoGvP

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *